Notícias

OAB Guarapuava marca presença em ações de combate ao feminicídio

22 de julho

Da esquerda para direita: Maria Cecília Saldanha, Talita Leutner, Nicéia Martin Corrêa e Daniele Nesi (Foto: Ascom)

A OAB Guarapuava, através da Comissão das Mulheres Advogadas (CMA) da Subseção, integrou nesta quinta-feira (22) as ações alusivas ao Dia Estadual de Combate ao Feminicídio em Guarapuava. A data é celebrada anualmente no Paraná desde 2019 por determinação da Lei Estadual 19.873, em alusão a data de morte da advogada guarapuavana Tatiane Spitzner. Este é o primeiro dia de combate ao feminicídio após a condenação de Luis Felipe Manvailer, ex-marido da advogada.

“Desde a morte da Tatiane para cá, envolvemos a Ordem mais ativamente em todos os debates que passam pela questão de gênero. O feminicídio é um crime evitável, por isso, precisamos cada vez mais trabalhar a conscientização das pessoas e profissionais de todas as classes. Nunca sabemos que mulher viverá este problema, mas precisamos estar preparados caso a vítima esteja perto de nós”, explica a presidente da OAB Guarapuava, Maria Cecília Saldanha, que participou da ação na Praça 9 de Dezembro junto com a presidente da CMA, Daniele Nesi, e advogadas Nicéia Martin Corrêa e Talita Leutner. A ação foi realizada em parceria pela Procuradoria Estadual da Mulher, Procuradoria Municipal da Mulher e Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres.

Neste ano, a ação de combate ao feminicídio foi marcada pela divulgação do Sinal Vermelho, pedido silencioso de socorro para mulheres vítimas de violência doméstica que não conseguem ou não podem denunciar de maneira tradicional. Inicialmente realizado como campanha de conscientização, o Sinal Vermelho se tornou lei há pouco tempo e agora integra as políticas públicas para defesa de mulheres.

“Já que muitas mulheres não conseguem fazer o registro por telefone, internet ou na própria delegacia principalmente por conta do período pandêmico, essa é mais uma forma de facilitar o pedido de socorro das vítimas de violência”, explica Daniele.

Segundo a Lei Estadual 20.595/2020, que institui o Sinal Vermelho, mulheres podem pedir ajuda mostrando um X vermelho na mão em qualquer lugar do Paraná – seja estabelecimento comercial, condomínio, shopping center ou até mesmo na rua. Quando uma pessoa percebe o sinal, a orientação é para que anote o máximo de informações que ajudem a identificar a mulher e, na sequência, acione o 190.